Crítica | ''A Maldição da Mansão Bly'' traz mais um terror psicológico comovente de Mike Flanagan
×
Amanda Passos
05.10.2020
11:43
Crítica | ”A Maldição da Mansão Bly” traz mais um terror psicológico comovente de Mike Flanagan
Mansão Bly

O grande lançamento da semana na Netflix é a série de terror antológica ”A Maldição da Mansão Bly”, derivada de ”A Maldiçao da Residência Hill”. A segunda temporada da série conta a história de uma jovem desempregada, Dani Clayton, vivida pela já conhecida pelos fãs da primeira temporada, Victoria Pedretti. O novo ano adapta vários contos de Henry James, com destaque para ”A Volta do Parafuso”.

A história começa com Dani indo trabalhar em uma enorme e antiga mansão, cuidando dos irmãos Flora (Amelie Smith) e Miles (Benjamin Ainsworth). Os dias na Mansão Bly vão ficando mais assustadores à medida que as crianças começam a apresentar um comportamento cada vez mais estranho. A partir daí, toda a história se desenrola em um terror marcado pelo drama e pelo mistério.

Victoria Pedretti carrega com maestria o protagonismo da série, que não deixa de evidenciar novos e velhos talentos já conhecidos pelos fãs da primeira temporada, com destaques para Oliver Jackson-Cohen, no papel de Peter Quint, e Kate Siegel, que aparece como uma personagem chave da trama. Se existe uma palavra para o elenco que retorna, esta é a surpresa, já que todos estão em papéis completamente distintos do primeiro ano da série e que surpreendem diversas vezes o telespectador que estava com saudade da família Crain. Uma coisa é certa: Alguns atores que interpretaram personagens amados de Residência Hill não causaram o mesmo sentimento no segundo ano. Os novatos Amelia Eve, T’Nia Miller e Rahul Kholi são também destaques essenciais em ”A Maldição de Bly Manor”.

Comandado novamente por Mike Flanagan, o segundo ano da série mantém a qualidade e as artimanhas narrativas da primeira temporada. Com enfoque no drama psicológico, marca forte em ”A Maldição da Residência Hill’‘, Flanagan se prova novamente um dos mestres do terror moderno ao não se sustentar em soluções óbvias e clichês comuns ao gênero. O diretor trabalha com o elemento do mistério perfeitamente bem, revelando cada detalhe da história no momento certo e sempre deixando curioso quem está assistindo. A morte e as relações pessoais também são temas centrais na segunda temporada da série antológica.

Outra grande qualidade desta adaptação é o quesito técnico, tão bem trabalhado como na primeira temporada. O longa se passa em na Inglaterra em diversas épocas diferentes e todo o cuidado para a construção disso é muito bem visto e aproveitado. Os flashbacks característicos das produções de Flanagan são muito bem explorados no seriado e se tornam peças-chave para a compreensão da história, que vai desvendando seus mistérios através deles. Os destaques vão para os episódios 5 e 9, com as direções de Angela LaManna e Julia Bicknell, respectivamente.

Um ponto negativo da série, assim como na primeira temporada, é que a história demora um pouco a engatar, pegando um ritmo mais animador apenas a partir do terceiro episódio. Isso pode levar alguns a desistir da história, mesmo ela se provando e muito nos episódios seguintes. Alguns diálogos também são muito arrastados, o que compromete o entendimento de alguns pontos da série para o telespectador mais desatento.

Com uma carga emocional que comove a todo momento quem está assistindo e um terror psicológico extremamente bem trabalhado, o segundo ano da série prova que as histórias de Maldição de Mike Flanagan vieram para ficar. Se por um lado o telespectador começa a série com medo do que está por vir pelo apego à primeira temporada, durante o desenrolar da série, a confirmação de que a qualidade a sustenta sozinha em seu novo ano é mais que clara. Este é, sem dúvidas, mais um acerto em cheio de Flanagan para a Netflix.

Palavra final: Com uma carga emocional que comove a todo momento quem está assistindo e um terror psicológico extremamente bem trabalhado, o segundo ano da série prova que as histórias de Maldição de Mike Flanagan vieram para ficar.
4.5
Nota do autor:
Ficha técnica
Título original: The Haunting Of Bly Manor
Dirigido por: Mike Flanagan e outros
Data de lançamento: 9 de outubro de 2020
País de origem: EUA
Duração: 55 minutos
Gênero:
  • Drama
  • Terror
  • leia também:
      Mais lidas
    Sobre nós
    O Portal Popeek foi fundado em novembro de 2019 por amantes das culturas pop e geek, visando informar seu público sobre as novidades nos mundos do cinema, televisão, literatura e múisca, prezando sempre pela transparência e agilidade no trabalho.
    E-mail:
    [email protected]

    Redes sociais:
    Popeek © 2019 - 2020
    Tema por Danielle Cabral