Crítica | A vida como ela é em "Nomadland", o grande filme de 2020
×
Maurício Junio
15.01.2021
21:58
Crítica | A vida como ela é em “Nomadland”, o grande filme de 2020
Nomadland não é apenas o melhor filme do ano de 2020, mas um dos maiores de nossa era - e com a melhor atuação de Frances McDormand.

Em 2017, Chloe Zhao surgiu no cinema como uma grande aposta nas obras independentes. Seu primeiro filme, “The Rider”, lançado no início do ano seguinte, foi um dos mais aclamados daquele tempo e rendeu diversas indicações em premiações da crítica especializada e de cinema independente. Mas algo acontecia naquela mesma época: num palco mais prestigiado, Frances McDormand ganhava seu segundo Oscar por “Três Anúncios Para um Crime”, e usava o palco mais cobiçado da sétima arte para fazer um discurso feminista e em apoio a produtoras, roteiristas, atrizes e diretoras. Três anos depois, “Nomadland” chegou ao mundo.

Aqui, estamos num Estados Unidos economicamente destruído após a crise de 2008, que levou ao fechamento de diversas industrias e empresas num geral. Fern é o centro de tudo, uma mulher beirando a terceira idade que abandonou sua vida “normal” com seu marido – falecido – e vive como uma nômade, em seu trailer. Intercalando entre sua própria história e de pessoas ao seu redor, que surgem em sua jornada, acompanhamos a protagonista numa redescoberta do sentido de sua própria vida.

Em “The Rider”, Zhao usa de um recurso muito usado no cinema seiscentista, principalmente na nouvelle vague (movimento artístico do cinema francês): o uso de não-atores para estrelar seus filmes; lá, acompanhamos um cowboy que precisa reconstruir sua vida após sofrer um acidente que lhe impede de competir novamente. “Nomadland” usa de recurso semelhante, ao colocar não-atores e suas histórias reais em diversos momentos do longa, com suas vidas intercalando com a de Fern e trazendo um senso de humanidade ainda mais forte para o roteiro – que não se preocupa em onde chegará, pois não é seu objetivo finalizar a trama sem nenhuma ponta solta.

No centro disso tudo, Frances McDormand entrega a melhor atuação de sua carreira na pele de uma mulher em pedaços, num país em pedaços, em busca de se reencontrar. Seu trabalho vai além de olhares e diálogos: é uma atuação cheia de nuances que vão desde um suspiro longo, a uma risada propositalmente exagerada ou ao desconforto palpável em diversas situações. Colocada no meio de pessoas reais, com problemas reais, McDormand desaparece para que Fern ganha vida.

Chegando ao seu fim, é difícil saber qual é o ponto mais forte deste filme. Seria McDormand com uma atuação que poucas vezes veremos no cinema? Ou seria o roteiro de que capta perfeitamente o senso de realidade que sua trama necessita? Ou sua edição, que conduz o espectador e o convida a adentrar na vida destas pessoas? Ou sua direção que encontra filosofia e emoção em cada simples cena? Por fim, seria a cinematografia irretocável de Joshua James Richards com seu uso de luz ambiente e que consegue enaltecer ainda mais o trabalho da dupla Zhao-McDormand? A verdade é que “Nomadland” é um destaque em cada detalhe seu.

Talvez, num primeiro momento, “Nomadland” não aparente ser um grande filme para você. Mas com o tempo, perceberá que não se trata apenas do melhor filme de 2020, mas sim de um dos melhores de nossa era. É um trabalho único, de uma diretora que capta a humanidade como ninguém, o seu melhor e pior. Ao mesmo tempo que soa contemplativo, eis aqui um filme acessível: seu objetivo é alcançável e seu ritmo é prazeroso, e tudo isso é possível graças ao domínio de Zhao na direção, roteiro e edição. É uma obra sobre se reconstruir após uma queda, sobre encontrar um objetivo a seguir, e nunca se preocupar com o que existe no próximo quilometro de nossa jornada nesta vida, pois sabemos muito bem aonde esta estrada nos levará.

Palavra final: Talvez, num primeiro, “Nomadland” não aparente ser um grande filme para você. Mas com o tempo, perceberá que não se trata apenas do melhor filme de 2020, mas sim de um dos melhores de nossa era.
5.0
Nota do autor:
Ficha técnica
Título original: Nomadland
Dirigido por: Chloe Zhao
Data de lançamento: 4 de fevereiro de 2021
País de origem: Estados Unidos
Duração: 108 minutos
Gênero:
  • Drama
  • leia também:
      Mais lidas
    Sobre nós
    O Portal Popeek foi fundado em novembro de 2019 por amantes das culturas pop e geek, visando informar seu público sobre as novidades nos mundos do cinema, televisão, literatura e múisca, prezando sempre pela transparência e agilidade no trabalho.
    E-mail:
    [email protected]

    Redes sociais:
    Popeek © 2019 - 2021
    Tema por Danielle Cabral