Crítica | Vanessa Kirby brilha em “Pieces of a Woman”, mas o filme não brilha ao seu nível
×
Maurício Junio
08.01.2021
21:40
Crítica | Vanessa Kirby brilha em “Pieces of a Woman”, mas o filme não brilha ao seu nível
Em um roteiro problemático, "Pieces of a Woman" erra a mão ao ser um drama sobre luto, sobre um relacionamento em crise ou sobre um crime.

Pieces of a Woman deu seus primeiros indícios de que seria um dos filmes mais comentados do ano quando foi exibido no Festival de Veneza, em outubro, onde acabou conquistando o prêmio de melhor atriz para Vanessa Kirby – um dos principais termômetros para o Oscar na mesma categoria. Meses depois, o filme finalmente chega na Netflix, plataforma que o distribui ao redor do mundo. Porém, seus grandes acertos se resumem a Vanessa Kirby e ao resto do elenco, pois todo o resto é fadado a problemas estruturais e de desenvolvimento.

Aqui, acompanhamos Martha, uma jovem grávida de sua primeira filha e que deseja ter um parto na sua própria casa. Porém, o nascimento de sua filha não sai como o previsto e a mesma acaba falecendo. Por duas horas, acompanhamos uma mulher lidando com um luto aparentemente irreparável, com as consequências de tudo isso em seu relacionamento e na sua relação com a família, principalmente com a mãe, em estado de debilitação.

Os primeiros minutos do longa são, realmente, de tirar o fôlego. Num plano sequencia de aproximadamente 15 minutos, acompanhamos Martha em trabalho de parto, com uma câmera firme e estática de Kornél Mundruczó que, ao mesmo tempo que transmite a sensação de invasão de privacidade, torna-se confortável dentro de um ambiente de completo desespero. Os problemas do filme surgem logo em seguida, quando seu nome aparece na tela, numa brusca tela preta, e somos apresentados ao que acontece em seguida.

Seu principal problema aqui é o roteiro, que não assume sua simplicidade e tenta, a todo custo, ser um longa-metragem poético e subjetivo, mas que no fim das contas não passa de um drama típico de Supercine. O texto de Kata Wéber tem uma boa base, mas seu desenvolvimento é expositivo e cheio de cenas gratuitas – como uma cena em que Martha observa um pai com sua filha dentro do metro e sofre com isso, ou quando ela suspeita da traição de seu esposo, para que logo em seguida o roteiro exponha justamente a verdade.

Não é problema algum ser um drama de Supercine, quando o texto tem coragem de se assumir desta forma. Mas isso não acontece aqui. Por duas horas, o roteiro transita entre cenas explosivas, onde seus personagens expõem suas dores ao espectador, para momentos contemplativos onde sua protagonista sofre em silêncio, corre durante uma nevasca, ou escapa no intervalo de um julgamento para revelar fotos de sua bebê falecida. O problema não é estas cenas existirem, mas a forma que o roteiro e a edição as colocam dentro da obra – edição que, também, compromete o ritmo do longa.

Mas algo se destaca aqui: o elenco. Vanessa Kirby entrega o melhor trabalho de sua carreira – mesmo que, algumas semanas atrás, pudéssemos jurar que ela não faria algo mais incrível que sua interpretação em The Crown, como Princesa Margaret. Ela usa da deficiência do roteiro em não saber usar do tom explosivo e intimista nos momentos certos a seu favor, numa protagonista cheia de camadas e com suas confusões bem esclarecidas. Uma indicação ao Oscar é mais do que justo.

Shia LaBeouf, por mais que num personagem problemático, entrega um bom trabalho – ou ele simplesmente está interpretando o homem problemático e abusivo que é? Contudo, os destaques no time de coadjuvantes são Ellen Burstyn, no melhor papel de sua carreira desde Réquiem para um Sonho, em 2000; e Molly Parker que, além de elevar o drama do filme, cria um conflito direto com o próprio espectador acerca de seus atos.

Pieces of a Woman é um filme problemático, salvo por seu elenco irretocável. Falha em ser um retrato sobre o luto, sobre um casamento em declínio e sobre um crime. Talvez este time de atores e atrizes façam com que o público não perceba os problemas em seu desenvolvimento e ele seja bem recebido, mas é inegável que é um projeto que poderia ter sido muito mais do que foi – sua trama é excelente, seu diretor é bom, e tudo não funciona como deveria devido ao seu roteiro.

Assista ao trailer:

Palavra final: Em um roteiro problemático, "Pieces of a Woman" erra a mão ao ser um drama sobre luto, sobre um relacionamento em crise ou sobre um crime, salvo por seu elenco excepcional, com destaque para a incrível Vanessa Kirby.
2.0
Nota do autor:
Ficha técnica
Título original: Pieces of a Woman
Dirigido por: Kornél Mundruczó
Data de lançamento: 07 de janeiro de 2021
País de origem: Canada | Hungria | USA
Duração: 126 minutos
Gênero:
  • Drama
  • leia também:
      Mais lidas
    Sobre nós
    O Portal Popeek foi fundado em novembro de 2019 por amantes das culturas pop e geek, visando informar seu público sobre as novidades nos mundos do cinema, televisão, literatura e múisca, prezando sempre pela transparência e agilidade no trabalho.
    E-mail:
    [email protected]

    Redes sociais:
    Popeek © 2019 - 2021
    Tema por Danielle Cabral