J.K. Rowling volta a curtir mensagens e seguir contas transfóbicas no Twitter; entenda!

J.K. Rowling está sendo criticada nas redes sociais após reassumir uma postura transfóbica. A autora da série de livros “Harry Potter” voltou a curtir mensagens e seguir contas de teor transfóbico no Twitter.

J.K. Rowling já tem um histórico com transfobia. Em 2018, ela curtiu uma publicação que chamava as mulheres trans de “homens de vestido”. No final de 2019, a autora voltou a cometer transfobia e saiu em defesa de Maya Forstater, uma mulher que foi demitida da empresa em que trabalhava após fazer diversos comentários transfóbicos, afirmando que “homens não podem virar mulheres” e se recusar a chamar pessoas trans por seus pronomes corretos.

Indignada com a demissão de Maya, J.K. Rowling foi ao Twitter manifestar apoio público à Maya. “Vista-se como você quiser, chame-se do nome que você quiser, faça sexo com qualquer adulto que consista e queria você, viva sua melhor vida com paz e segurança, mas demitir mulheres de seus empregos por dizer que sexo é real? #EuFicoComMaya“, afirmou Rowling.

Agora, J.K. Rowling foi vista novamente curtindo comentários e seguindo contas transfóbicas no Twitter outra vez. No dia 17 de maio, uma conta expôs que J.K. Rowling seguia contas exclusivamente ativistas anti-trans, como o grupo LGB Alliance. A autora também seguia a jornalista Helen Joyce, que já repercutiu ao falar sobre o processo de esterilização do Japão em pessoas trans.

Image

Helen voltou a fazer comentários transfóbicos recentemente. Em uma deles, ela dizia: “Entediado com o lockdown. Solitária. Tentando me concentrar na luz do sol e no fato de que a maioria das pessoas não precisa convencer que os humanos são de dois e apenas dois sexos imutáveis”. A publicação foi curtida por J.K. Rowling.

Image
Image

Após a repercussão, J.K. Rowling deixou de curtir os tweets com conteúdo transfóbico, mas permanece seguindo as contas que os fizeram. Internautas lamentaram o fato de J.K. Rowling segui-las na mesma semana em que ocorreu o dia mundial da luta contra a LGBTfobia. A autora ainda não se pronunciou publicamente sobre as críticas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *